FÍSICA QUÂNTICA E O NOVO INCONSCIENTE - AVANÇOS DA NEUROCIÊNCIA

Resultado de imagem para FÍSICA QUÂNTICA E O NOVO INCONSCIENTE
FÍSICA QUÂNTICA E O NOVO INCONSCIENTE
PROCESSAMENTO INCONSCIENTE
A idéia de que somos guiados a nível consciente por um processamento a nível inconsciente tem motivado pesquisas na área das neurociências. Hoje temos oportunidade de estudar a matéria da consciência laboratorialmente através da ressonância magnética funcional, dentre outros. Conseguimos identificar os circuitos e redes neurais envolvidos nas experiências do dia a dia. Antigamente, alguns desses aspectos eram atribuídos ao inconsciente, através das explicações da teoria do inconsciente dinâmico de Freud e que não podia ser verificada pela ciência. Hoje as coisas mudaram. O novo inconsciente torna-se verificável de maneira objetiva e aspectos da psique começam a ser foco de estudos científicos. Ter a oportunidade de associar esses novos conhecimentos com os princípios da física quântica é uma oportunidade ímpar. Sabemos que a realidade de qualquer objeto no Universo está em dois domínios: possibilidades e fato manifesto. Fato manifesto associado ao comportamento de partícula da matéria e ao processamento consciente da consciência. Possibilidades associada ao comportamento de onda da mesma matéria e ao processamento inconsciente da consciência.
20130110-173717.jpg
É interessante refletirmos sobre os processamentos consciente e inconsciente. Esse processamento pode ser serial (realizado em série, com uma etapa de cada vez) ou paralelo (com muitas operações ocorrendo simultaneamente). Pesquisadores sugerem que o processamento consciente seja o serial e o inconsciente seja um processamento em paralelo. Outro conceito importante é a chamada memória de trabalho. Temos a capacidade de guardar diversos trechos de informações e mantê-las na mente por um período. Essa memória de trabalho, antigamente chamada de memória de curto prazo, permite que as informações sejam ativadas sobre nossas experiências anteriores (memória de longo prazo). Processos psicológicos subjacentes à memória de trabalho como atenção e raciocínio estão fortemente relacionados. Memória e percepção. Aqui há uma circularidade e ambas são co-dependentes, ou seja, a memória exige percepção e a percepção exige memória. Esse paradoxo só é resolvido com o principio da hierarquia entrelaçada da física quântica onde o verdadeiro poder causal esta fora do sistema: corpos sutis (campos morfogenéticos) e consciência – base de tudo. Se admitirmos que a consciência escolhe simultaneamente e instantaneamente ambas as possibilidades: percepção e memória, esse paradoxo deixa de existir. Vamos adiante em nosso “mergulho” no novo inconsciente.
20130110-174850.jpg
Para termos uma opinião sobre uma determinada experiência, mecanismos que relacionam memória de trabalho do córtex pré-frontal com mecanismos inibitórios de outras regiões são utilizados de forma relevante. Se você é questionado sobre uma determinada ponte, por exemplo, o sujeito ativa representações sobre local (córtex parietal), forma (córtex temporal inferior) e cor ( córtex temporal e occipital). É necessário que haja uma inibição de uma série de informações que são ativadas na busca dos dados relevantes, o que demonstra o papel do córtex pré-frontal na filtragem e seleção do material que é utilizado na construção de representações mentais conscientes. Um diálogo entre duas pessoas discutindo sobre suas impressões sobre a constituição de uma ponte poderia ser assim: – A ponte é de concreto!; – Não, a ponte é de ferro! Para se emitir uma opinião, todos os mecanismos anteriores ocorrem para se formar essa opinião sobre a característica da ponte. Complexo? Um pouco. Mas o novo inconsciente assim estuda qualquer experiência humana, principalmente em nossa tomada de decisões.
20130110-174531.jpg
Agora, vamos aprofundar um pouco mais com os conceitos da física quântica. Recordando que estamos em um processo criativo de evolução. Fazemos escolhas e dessas escolhas criamos a nossa realidade. Não há um mundo “lá fora” a ser descoberto ou repleto de dados prontos, o universo é co-participativo. Participamos com a nossa capacidade de escolhas. O mundo da matéria fornece as possibilidades. Um elétron, um próton, ou neutron, ou seja, o modelo atômico que temos para representar a realidade concreta tem um comportamento dual. Onda e partícula. Essa dualidade nos fornece a incerteza, a probabilidade e com ela as possibilidades. Um elétron é uma onda de possibilidade. A realidade do elétron possui dois domínios: possibilidade (onda) e fato manifesto (partícula). Nosso cérebro é composto por 100 bilhões de neurônios e uma infinidade de possibilidade de conexões. As células neuronais são constituídas por moléculas que por sua vez são constituídas por átomos que advém das partículas elementares que estão “mergulhadas” em um campo fundamental (Campo do Ponto Zero) que guarda uma interconexão entre todas essas partículas elementares. Essa compreensão é maravilhosa e libertadora. O corpo físico faz representações do sutil. Assim ocorre com o cérebro. Falar do processamento inconsciente faz-nos lembrar dos arquétipos supramental de Jung. Na vida, temos um propósito. Vejamos adiante.
20130110-180626.jpg
Essa matéria que constitui nosso cérebro permite a expressão da nossa essência, isto é, da consciência. Já discutimos em outras oportunidades que há campos de organização sutis – campos morfogenéticos – capazes de coordernar e organizar a forma. Assim ocorre também com o nosso cérebro e seus 100 bilhões de neurônios. Esses campos e modelos organizadores da forma estão contidos dentro do nosso corpo vital. O movimento da energia vital dentro desses campos morfogenéticos está sendo simultaneamente criado pela consciência através das escolhas já realizadas durante os evos da evolução. Sim, temos hábitos e condicionamentos. As escolhas são condicionadas. Por enquanto, pois podemos ser criativos e escolher além do condicionamento habitual. Criar o novo, isto é, um novo comportamento resultado do insight da criatividade. O ah-ha criativo! A evolução da consciência é criativa. A criatividade envolve processamento inconsciente. Um processamento em paralelo com várias superposições de possibilidades. A evolução da forma obedeceu a esse critério, isto é, sempre direcionado do simples para o complexo. A evolução obedece a um propósito, ao contrário do que pensam os cientistas materialistas darwinistas e neodarwinistas que colocam que o que somos atualmente é conseqüência da aleatoriedade e acaso. Sobrevivência e necessidade. Únicos critérios da evolução gradual fornecida pela seleção natural. Antes que os críticos de plantão se manifestem, também aceito a idéia da seleção natural quando ela é utilizada para explicar a evolução lenta e gradual. Porém ela é incompleta. Necessita de uma explicação para a evolução rápida e acelerada observada de tempos em tempos. É a lacuna fóssil e descontínua. Complementar a explicação com um novo modelo de organização biológica: os campos morfogenéticos. Os genes necessitam ser informados para que a sua função seja realizada. O ligar e desligar dos genes depende do ambiente e esse ambiente é proporcionado pela consciência e seus campos sutis de influencia: corpo vital, corpo mental e corpo supramental (arquétipos).
20130110-181005.jpg
Por que todas essas considerações? Para contribuir com as explicações atuais do novo inconsciente. Os sentimentos são reguladores de alto nível que traduzem em linguagem consciente, todo um iceberg de processamento inconsciente, alimentando a razão superior com substrato fundamental para a formulação de planos e decisões. É como se houvesse níveis de regulação da vida já representados em nosso cérebro. O corpo físico faz representações do sutil. O cérebro faz representações do significado mental dos arquétipos do corpo supramental, pensamentos (corpo mental) e sentimentos (corpo vital). Utiliza-se nesse processo de moléculas neurotransmissoras e receptores específicos para gerar uma verdadeira “explosão” em cada sinapse. O neurotransmissor não é o pensamento, mas o representa. Um campo sutil quântico que mantém tudo interconectado e coerente está em constante transformação. O processo é dinâmico. Tomamos decisões, fazemos planos, emitimos opiniões, executamos diversas tarefas onde estão envolvidos processamento inconsciente. Para que os sentimentos tornem conscientes há uma série de regulação inconsciente que vão desde as respostas metabólicas homeostáticas, reflexos básicos, respostas da imunidade, comportamento de dor e prazer, motivações, emoções sociais, emoções de fundo, emoções primárias até que o sentimento seja representado em uma emoção consciente.
20130110-185905.jpg
A cada segundo, milhares de ajustes complexos estão sendo conduzidos com precisão por computação neural totalmente inconsciente envolvida nos processos alostáticos que suportam a regulação do organismo. Para permanecermos vivos é necessário um equilíbrio dinâmico com o ambiente – ajustar temperatura corporal, o nível de glicemia, a oxigenação sanguínea e inúmeros outros parâmetros fisiológicos. O termo homeostase está sendo substituído pelo termo alostase, que é mais fidedigno pois significa a capacidade de manter o equilíbrio mantendo as variações dos padrões corporais dentro de uma faixa ótima. Homeo quer dizer igual e Alos que dizer variação. Respiração, batimentos cardíacos, digestão e movimento peristáltico, liberação de hormônios e neurotransmissores, entre milhares de outras, sem qualquer participação da percepção consciente. Essa enorme quantidade de tarefas elementares à preservação da vida é delegada ao processamento inconsciente, de forma a permitir a ampliação do alcance da mente pelo processamento consciente. Estamos livres para planejar, criar e tomar decisões nunca antes tomada, permitindo cenários alternativos possíveis.
20130110-181400.jpg
Mais a frente, continuaremos a conversar sobre o assunto que aparentemente parece complexo, mas que traz muita satisfação e esclarecimento. Estamos em busca da clareza. Resgatamos nosso livre-arbítrio e podemos escolher. Essas escolhas ainda são limitadas por nossos hábitos e condicionamentos, mas estamos caminhando para estar cada vez mais em contato com uma Consciência Cósmica, superior a nossa consciência egóica, onde realmente reside a verdadeira liberdade de escolha.
Abraços fraternos
Milton
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CALLEGARO, Marco Montarroyos. O Novo Inconsciente: como a terapia cognitiva e as neurociências revolucionaram o modelo do processamento mental. Porto Alegre: Artmed, 2011.
GOSWAMI, Amit. Evolução criativa das espécies: uma resposta da nova ciência para as limitações da teoria de Darwin. São Paulo: Aleph, 2009.
HANSON, Rick. O Cérebro de Buda: Neurociência prática para a felicidade. São Paulo: Editora Alaúde, 2012.

O NOVO INCONSCIENTE

 IMG_0624
Vivemos em um momento histórico com relação ao conhecimento do inconsciente. Freud ficaria feliz em estar entre nós. Avanços na neurociência fornecem uma luz extra na questão que sempre intrigou filósofos, dramaturgos, poetas e até mesmo cientistas. O que é o  Inconsciente? O termo inconsciente ainda é muito mal compreendido. Observa-se um paradoxo atualmente, ou seja, a “meta” teoria de Freud é a mais divulgada e estudada no meio acadêmico da área de psicologia e é a menos estudada cientificamente com suas ferramentas de investigação. A “meta” teoria do inconsciente dinâmico de Freud não pode ser verificada cientificamente. Freud não descobriu o inconsciente, talvez o seu grande mérito tenha sido em organizá-lo em uma “metateoria” e sistematizar os aspectos clínicos  dos transtornos psíquicos. Vale ressaltar que o “espírito da época” de Freud era a invenção da máquina a vapor e seus fluidos. O inconsciente dinâmico de sua teoria valeu-se da metáfora dos fluidos e mecanismos das descobertas daquele tempo. Hoje a metáfora é outra e a física quântica complementa aspectos que permitem uma avaliação científica do inconsciente.
IMG_0622
Antes de Freud, muitos já haviam estudado o inconsciente. A noção de que forças subterrâneas, as quais não temos acesso consciente, influenciam o comportamento não é de hoje. Muitos filósofos, dramaturgos e poetas levantaram hipóteses variadas e interessantes. A teoria do inconsciente dinâmico de Freud não podia ser verificável, uma condição essencial considerada pela ciência. Hoje, com vários laboratórios de neurociência, sabe-se que a maior parte do processamento do cérebro é inconsciente e apenas uma pequena parte resumida, editada e nada fidedigna é acessada pelo processamento consciente. O processamento inconsciente é dado pelos milhares e milhares de conexões neurais existentes e possíveis. Cada neurônio é capaz de estabelecer uma comunicação com outros 5000 (cinco mil) neurônios. Temos cerca de 100 bilhões de neurônios no cérebro. O número possível de combinações desses 100 bilhões de neurônios é de 10 elevado a milionésima potência, ou seja, é o número 1 (um) seguido de um milhão de zeros. Um número muito maior que a quantidade de estrelas do Universo manifesto. Temos muitas possibilidades de escolhas de redes neurais para representar as diversas capacidades e diversas potencialidades de expressão da consciência.
 20120618-160129.jpg
Cabe ressaltar aqui que a consciência – base de tudo – é capaz de escolher o processamento consciente e o processamento inconsciente. Exatamente isso! A criatividade quântica – capacidade da consciência em evoluir – impulsiona a mesma em direção à complexidade. Não podemos confundir o termo consciência – base de tudo – com o processamento consciente. O processamento consciente está incorporado dentro da consciência. Admitimos ser a consciência a essência primeira de tudo. Aquela que é capaz de escolher dentre as possibilidades fornecidas pela matéria. Lembrem-se que a matéria comporta-se como onda de possibilidade e por si só não é capaz de criar a realidade. Há a necessidade de existir algo fora da jurisdição da mecânica quântica para colapsar a função de onda da matéria e esse algo é a consciência.
IMG_0625
IMG_0627
Vamos utilizar uma metáfora bem difundida hoje em dia para compreender as dimensões do processamento consciente e do processamento inconsciente. Se considerarmos a mente como sendo um iceberg, a mente consciente e seu processamento representa a superfície fora da água desse iceberg. Capacidade de raciocínio, percepção, resolver problemas de lógica, ler um livro é a capacidade do processamento consciente. Esse processamento consciente é cerca de 200 mil vezes menor que o processamento inconsciente representado pelo restante submerso do iceberg como todos os nossos medos, sistema de crenças, desejos, recalcamentos, autoenganos, autosabotagens, automatismo, etc. Uma enorme capacidade de processar informações, cerca de 11 milhões de bits a cada segundo – abaixo da percepção consciente – capaz de coordenar e influenciar o comportamento, quando comparado com os 50 bits de informações por segundo do processamento consciente. Percebemos o mundo conforme nossos “filtros”. Raciocinamos e decidimos conforme esse processamento inconsciente. São essas as forças subterraneas que coordenam o comportamento. Precisamos e necessitamos conhecê-lo. O processamento inconsciente à luz da neurociência é o novo inconsciente.
IMG_0623
O cérebro é um importante ponto nodal e estamos compreendendo aspectos que compõe a sua realidade. A física quântica fornece novas metáforas e permite integrar dentro da consciência plena esses aspectos agora desvendados pela neurociência. É lamentável que o grande objetivo da ciência materialista ainda permaneça ancorado na causação ascendente, isto é, tenta-se explicar a consciência como um subproduto ou epifenômeno do funcionamento do cérebro.Mas isso não tem problema. Estamos na dinâmica da mudança e aos poucos será vivenciado e estudado de uma forma diferente e haverá uma integração entre ciência e espiritualidade. A consciência escolhe o objeto a ser medido simultaneamente com suas redes neurais ou circuitos neurais que o representam. É a mensuração quântica no cérebro. É a medida de percepção do estímulo que envolve os objetos externos. É a cisão entre sujeito e objeto verificada a cada instante, a cada piscar de olhos. É a maneira como nós percebemos o mundo. O estímulo percorre um aparato de percepção capaz de processar do micro ao macro, isto é, as onda de possibilidades quânticas tornam-se mais lentas a medida que o fenômeno da percepção do estímulo percorre o aparato de percepção das partículas elementares ao átomo e desse às moléculas. Nesse processo, eventos quânticos com certeza estão envolvidos. Observamos e constatamos uma separação entre o sujeito que percebe e o objeto percebido. No processamento consciente ocorre a cisão sujeito e objeto. No processamento inconsciente não há cisão sujeito e objeto, mas há processamento. Isso agora corroborado por uma infinidade de laboratórios de neurociência. É dessa maneira que criamos a realidade, com cerca de 10 milhões de bits de informações por segundo fornecido somente pela visão. A visão é a grande representante do processamento inconsciente.
IMG_0628
A quantidade de bits de informações que chegam até o cérebro proveniente do corpo é enorme. Como vimos anteriormente são cerda de 11 milhões de bits por segundo. A mente consciente não conseguiria tomar decisões se fosse necessário o processamento consciente simultâneo dessa gama de informações que chegam ao cérebro. O processamento inconsciente é necessário e foi conquistado durante os evos da evolução da consciência. Nele está talvez o segredo que deveremos desvendar para o autoconhecimento. Nele está talvez o segredo que teremos que aceitar nos processos de autoengano. Nele está o segredo das nossas mentiras. Nele está o segredo da nossa honestidade e da desonestidade. Nele está o segredo dos sentimentos e das emoções. Nele está o segredo da representação que fazemos dos aspectos sutis de cada um de nós. Talvez, daqui a alguns anos, não seja mais segredo que conheceremos nossas projeções durante os relacionamentos amorosos e não amorosos. Durante as diversas experiências que compartilhamos durante as 24 horas do dia. Entenderemos a sabotagem que realizamos na percepção consciente baseada no sistema de crenças inconsciente. Entenderemos e propiciaremos uma terapêutica adequada baseada nesses conhecimentos emergentes. Criaremos uma nova realidade. Uma realidade mais feliz. Uma realidade mais sábia. Uma realidade mais repleta de gratidão. Uma realidade onde o perdão já está no passado, ou seja, já perdoamos e no final constatamos que mal nenhum ocorreu. Uma realidade onde haja o amor incondicional. Uma realidade onde aprendemos a criar os circuitos de neurônios que representam esses aspectos da consciência que ainda ainda não são instintivos.
Esse ano de 2013 será um ano próspero. Daremos continuidade a vários artigos integrando ciência e espiritualidade. Saberemos que o conhecimento verdadeiro é o autoconhecimento.
Abraços fraternos
Milton
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CALLEGARO, Marco Montarroyos. O Novo Inconsciente: como a terapia cognitiva e as neurociências revolucionaram o modelo do processamento mental. Porto Alegre: Artmed, 2011.
GOSWAMI, Amit. Evolução criativa das espécies: uma resposta da nova ciência para as limitações da teoria de Darwin. São Paulo: Aleph, 2009.
HANSON, Rick. O Cérebro de Buda: Neurociência prática para a felicidade. São Paulo: Editora Alaúde, 2012.
Fonte:https://ativismoquanticodotcom.wordpress.com/category/fisica-quantica/page/2/
Resultado de imagem para FÍSICA QUÂNTICA E O NOVO INCONSCIENTE