A ELITE FINANCEIRA QUE CONTROLA O MUNDO - OS ILLUMINATI ?

Imagem relacionada

As 10 empresas que controlam o mundo… ILLUMINATI?

Não é teoria da conspiração, são fatos: uma análise das relações entre cerca de 43.000 empresas multinacionais feita pelo Instituto Federal de Tecnologia da Suíça concluiu que 174 empresas (na maioria bancos) têm um poder desproporcional em relação ao resto do mundo. Esses 174 empreendimentos são considerados superentidades que controlam 40% da economia mundial. Isso não quer dizer necessariamente concentração de dinheiro e sim de poder (empresas que têm ações de outras empresas ou que as administram). Elas estão tão conectadas entre si, de forma tão intrínseca, que, se uma se desestabiliza, afeta todas as outras em cadeia.
Também ficou alarmado? Então, já pode se juntar ao movimento Occupy Wall Street(ou Occupy São Paulo, Occupy Rio de Janeiro, enfim: Occupy o mundo todo) para tentar mudar essa governança do 1% de poderosos sobre os 99% de outras pessoas. Ou simplesmente entender porque este movimento virou assunto fácil nas redes sociais nas últimas semanas.
Conheça aqui as 10 maiores donas do mundo e saiba quem controla de verdade a nossa economia.
10. Merrill Lynch & Co Inc EUA
MerrillLynchBlue.jpg
É um banco de Investimentos estadunidense que hoje faz parte do Bank Of America. É a maior corretora de ações do mundo.
9. UBS AG Suíça
UBS-300x114.jpg
Empresa suíça de serviços financeiros. Atua como banco privado e banco de investimentos e é o segundo maior gestor de riquezas particulares do mundo (ou seja: eles cuidam da grana dos bilionários do planeta).
8. Vanguard Group Inc EUA
vanguard-300x227.jpg
Uma das maiores companhias de fundos de investimentos do mundo. Ela oferece recursos financeiros imediatos para investidores particulares ou para empresas e administra aproximadamente 1,6 trilhões de dólares. Trilhões.
7. Legal & General Group PLC Reino Unido
legal-and-general-300x168.jpg
Companhia de seguros, pensões e investimentos, com operações no Reino Unido, Holanda, França, Alemanha, EUA, Egito, Índia e Emirados Árabes.
6. JP Morgan Chase & Co EUA
jpmorganchase-300x300.jpg
Uma das maiores instituições bancárias dos EUA, é uma holding (sociedade gestora de participações sociais), ou seja: ela administra conglomerados empresariais. É considerada pela revista Forbes a maior empresa do mundo.
5. State Street Corporation EUA
State-Street.gif
Também é uma holding. Administra duas instituições financeiras: o banco State Street Bank and Trust Company e a consultoria de investimento State Street Global Advisors.
4. AXA França
axa.gif
Empresa que atua tanto como seguradora quanto como administradora de investimentos. É a nona maior multinacional do mundo, segundo a Fortune Global 500.
3. FMR Corporation EUA
FMR-300x225.gif
A Fidelity Investments é (adivinha?) uma instituição financeira que atua como administradora de fundos familiares (gente rica!) e fundos mútuos (empresas que reúnem dinheiro de vários investidores para investir).
2. Capital Group Companies Inc EUA
capital-group-companies.gif
Agrupamento de várias empresas de administração de investimentos. Alguns dos pequenos membros do grupo: Bayer (companhia química e farmacêutica alemã), Volkswagen (fabricante alemã de carros), Telekom Austria Group (provedor austríaco de internet e telefonia fixa e celular) e BYD (fabricante chinesa de carros e baterias recarregáveis).
1. Barclays PLC Reino Unido
barcap-300x150.jpg
Instituição de serviços financeiros com operações em mais de 50 países espalhados por todo o mundo e mais de 48 milhões de clientes. Se envolveu em diversos episódios controversos, como o apartheid na África do Sul e o financiamento do governo do presidente Robert Mugabe, no poder no Zimbabwe desde 1980, além de ter sofrido acusações de lavagem de dinheiro.
https://discordianismo.wordpress.com/2011/10/27/as-10-empresas-que-controlam-o-mundo-illuminati/
Conheça os países controlados pelos Illuminati
Seguindo com a série sobre a organização Illumi Corp, abordaremos neste artigo os países diretamente controlados pela elite global Illuminati. Faz-se necessário observar que a listagem foi apresentada no lançamento do site da Illumi Corp em 2013, ano no qual a ordem Illuminati apareceu publicamente.

De lá para cá, não se pode saber oficialmente se outros países foram inclusos à lista. Como a proposta não é especular, trataremos exclusivamente dos países apresentados pela Illumi Corp. Vamos então conhecer as peças desse jogo de xadrez.

Estados Unidos [é exibido como América]
É sabido que se trata da maior potência mundial e por isso encabeça a lista. Sua influência no mundo é inegável, econômica e politicamente. Além disso, os maiores centros de inteligência estão lá e hoje os EUA são a nação com o maior acervo de informações do planeta. Trate-se de uma espécie de centro de controle inteligente. Como os próprios Illuminati pregam: quem tem o conhecimento tem o poder. Não é por acaso que o presidente B. Obama aparece nesta vinheta disponível no Youtube e Facebook dos Illuminati.





Inglaterra
Está entre as maiores economias da Europa e possui uma das moedas mais fortes do mundo. O MI5 – Serviço de Segurança Britânico é uma das instituições Illuminati. A obscuridade que cerca a Família Real Britânica no que se refere a seu sobrenome e até mesmo à certeza de quem é ou não membro da família, seguramente funciona para ocultar sua estreita linhagem sanguínea com a ordem Illuminati. A Inglaterra é a mais importante peça colocada na Europa.

Israel
Falar de Illuminati significa falar de ocultismo. Considerando o fato do alto ocultismo [as hierarquias mais elevadas das sociedades secretas Illuminati] ter como base a oposição ao Cristianismo e à Bíblia, Israel ganha total sentido estratégico. Lá estão os judeus, o povo escolhido de Deus segundo as escrituras. É por isso que há alegações de que o Anticristo, que ainda virá, será um judeu. Não há dúvida que para os Illuminati seria a nacionalidade ideal para o Anticristo. Ainda vale ressaltar que ontem, dia 21, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, “saiu em defesa de Hitler” durante o 37º Congresso Sionista Mundial em Jerusalém na tentativa de diminuir a crueldade do líder nazista aos judeus. Emblemático!

Austrália
O primeiro pensamento que surge: qual ligação um país que mal se ouve falar poderia ter com os Illuminati. Um povo educado, uma economia estável; não fazem mal a ninguém, influenciam muito pouco ou quase nada o restante do planeta. Uma espécie de “não fede nem cheira”. Então! Os australianos estão avançando vertiginosamente na computação quântica, com centros avançadíssimos de pesquisa e investimentos bilionários no setor. Em 2012, desenvolveram um computador quântico com apenas um átomo de espessura capaz de realizar mais cálculos do que um computador comum do tamanho do universo. E quem sabe disso? Ninguém! Afinal, quem está preocupado com a Austrália? Trata-se, portanto, de um grande esconderijo para o desenvolvimento da maior faceta científica da história da humanidade. Enquanto os olhos se voltam ao CERN explodindo partículas, a Austrália avança pragmaticamente na mecânica quântica aplicada.

China
O maior país da Ásia tem a segunda maior economia do mundo e exerce tanta influência internacional que sua atual instabilidade econômica está afetando o planeta inteiro. Li, um dos sobrenomes mais populares da China, descende da linhagem de sangue Illuminati e está listado entre as 15 famílias da Ordem. É interessante observar o fato do país mais populoso do mundo estar debaixo de um regime unipartidário comunista. Assim, é inevitável conjecturar a possibilidade de a China ser um ensaio para Nova Ordem Mundial. No continente asiático, trata-se da peça mais imponente.

Conclusão

É interessante notar que eles estão em todos os continentes, à exceção da África, o único que não possui país desenvolvido e o continente a apresentar o maior índice de miséria do planeta. Só para constar!

Apresentamos os cinco países oficialmente controlados pela elite global. Alguém deverá perguntar: por que, então, a China está enfrentando dificuldades econômicas severas? Bem, você não pode colocar uma bomba no corpo de outra pessoa, mas pode colocá-la no seu próprio corpo e explodir o outro.

A fim de dominarem o planeta com a implantação da Nova Ordem Mundial, mexe-se com as peças que se tem às mãos. E convenhamos: eles têm as melhores, e bem colocadas no tabuleiro. É um jogo de mestre e que está sendo vencido. Não é por acaso que o mundo está sendo mergulhado em uma profunda crise econômica. No próximo artigo da série, esse aspecto ficará bastante claro.

Por fim, vale ressaltar que os Illuminati têm apenas o apelido de “donos do mundo”, mas eles ainda não são. Exercem influência titânica, mas não estão sozinhos e enfrentam resistência. Poderiam assumir o controle na força bruta? Sim, poderiam, mas qual credibilidade teriam para governar daí em diante, além do risco de terem bilhões de pessoas se levantando contra o sistema?

Dar o xeque-mate exige maestria e paciência. Eles estão chegando lá, infelizmente, e a Nova Ordem Mundial já está aqui. A tomada final do poder é só uma questão de tempo, de pouco tempo.

Um grande abraço e abra os olhos!

Os outros artigos da série:
As 15 famílias Illuminati
Principais empresas que apoiam Nova Ordem Mundial
As instituições controladas pelos Illuminati

Fonte: http://artigos.fabior2.com.br/conheca-os...lluminati/

Leia mais: http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-pa%C3%ADses-controlados-pelos-illuminati#ixzz4pphp6Cbf

AS CONTAS SECRETAS DE POLÍTICOS NA SUÍÇA (AS PROPINAS E SUBORNOS)By 


Os sacerdotes egípcios do Templo de Menphis, segundo Demócrito, passavam por conhecer o segredo da fabricação alquímica do ouro, que o mestre Ostanes ensinava aos iniciados. As pirâmides eram cobertas por uma liga de prata – talvez o auricalco atlanta – atestando que de fato o Egito era a Terra de Chim(Chamchimis). Foi apenas quando certos conhecimentos iniciáticos caíram na feitiçaria que a alquimia de transmutação se desenvolveu.



OS COFRES-FORTES SECRETOS DA SUÍÇA


A lenda do ouro não está apenas ligada a magia.

O cofre-forte do Mundo é a Suíça, onde esta armazenado ouro em quantidade dez vezes maior do que na América, no Fort Knox, e em Paris, no Banco de França.
Todos os Governos, todos os ricos industriais, comerciantes, políticos, golpistas, banqueiros corruptos, até mesmo prelados, depositam na nação neutra um tesouro que julgam estar em segurança.

O controle dessa montanha de ouro escapa em parte aos Suíços, pois alguns magnatas do mundo dos negócios são proprietários de vários grandes Bancos. Fora do depósitos legais,existem depósitos secretos.

É lógico – e certo que, por exemplo, políticos do Brasil, Eua, Argentina etc, passando pelos potentados, magnatas e ditadores da África e do Oriente Médio, tenham ou tinham – depositadas na Suíça somas consideráveis. Em caso de reviravoltas políticas, que facilmente podem ocorrer, sabem que podem contar com o depósito de Genebra ou Lausana.

Mas esses depósitos foram efetuados em condições especiais. É evidente de fato que um grande magnata do Petróleo, para dar um exemplo – chefe de governo – pode ser deposto em poucas horas. Terá de fugir e mais depressa possível e talvez sem ter tido tempo para se munir de papeis de identidade. Por outro lado, um depósito regular no Banco – embora a Suíça assegure o segredo mais absoluto a respeito do depósito e do depositante – em nome do político X ou do presidente F, pode arriscar-se, no futuro, a sofrer um embargo, um seqüestro de bens por parte de um Governo. Torna-se portanto necessário que este depósito não seja nominativo.

Um potentado do Próximo Oriente, o Emir K, descobriu uma solução ao tornar-se diretor de um dos principais bancos de Genebra. Outros utilizam um curioso sistema. Fazem depositar os seus fundos – vários milhares de milhões – por um procurador.

Durante uma viagem a Suíça, combinam um código com o Banco: o dinheiro só pode ser levantado por quem possua “o mot de passe”ou um código combinado por exemplo: X – 75 – FH – 4885, que é parcialmente guardado em quatro sobrescritos selados.

O primeiro contem o primeiro sinal do código, X; o segundo, 75; o terceiro FH; o ultimo, 4885. Em principio, é o suficiente para afastar qualquer tentativa de fraude, pois o depositário não indica o nome nem a direção.

O único risco, que acontece com freqüência: se o depositário morre, o tesouro fica sem proprietário. Calcula-se que pelos menos cerca de 800 bilhões em suspenso nos bancos que jamais serão reclamados. Este cálculo aproximado é de 1963, imaginem hoje quanto dever ter!!!!
A partir de 1940, os bancos suíços de Berna, de Zurique e de Genebra foram obrigados a quadruplicar a superfície das suas caves. Paralelamente, alguns magnatas e principalmente os grandes industriais do Petróleo do Médio Oriente compravam vivendas em território Suíço e mandaram construir abrigos antiatômicos que estão repletos de lingotes de ouro e fechados a cimento, de tal forma que a Suíça se transformou num imenso cofre-forte ou, se preferirmos, um parque com tesouros enterrados.


Diz-se – mas qualquer controle é naturalmente impossível – que o principal cliente desses bancos é, por meio de intermediários, os Governos dos EUA e da RUSSIA.

O SANTUÁRIO DE FÁTIMA TEVE OURO NAZI ROUBADO DOS JUDEUS DEPOSITADO NUMA CONTA BANCÁRIA, NOS ANOS 70, AO TODO, 50 QUILOS, DA CASA DA MOEDA PRUSSIANA - BERLIM, 1942...


No princípio era o “cascalho”. {Notem que não era o verbo, mas o cascalho!} Foi desta forma que os responsáveis do santuário de Fátima chamavam o ouro velho ou deteriorado que os devotos ofereciam nas suas peregrinações: fios, argolas, brincos, alfinetes, alianças ou aparentados. Ouro esse que, a partir de 1959, o Santuário achou por bem começar a derreter e transformar em barras, guardando-o nos seus cofres. Porém, em 1970, e por razões de segurança, foi decidido recorrer ao depósito nos cofres do Pinto de Magalhães {grande banco particular de Portugal}, no Porto. Aí, e para esse efeito, o Santuário tinha uma conta designada ‘não oficial’ ou ‘Conta 2’ e por isso considerada ilegal. À luz da confiabilidade oficial, o resultado era simples; o ouro do Santuário, pura e simplesmente não existia. Foi em outubro daquele ano de 1970 que o Banco, a braços com dificuldades em importar ouro para vender nos balcões, decidiu colmatar a falta, recorrendo ao do Santuário, que ali se encontrava na situação de guarda à confiança. Eram, então, quase 198 quilos. Os contatos para obter a anuência do reitor, monsenhor Antonio Borges (já falecido), foram efetuados por um emissário do próprio Pinto de Magalhães. E acabaram bem sucedidos, com uma condição imposta pelo Santuário: o banco poderia fazer o que muito bem entendesse com o ouro, mas a quantidade utilizada nesses negócios deveria ser restituída na primeira oportunidade. Uma operação financeira posteriormente anulada, destinada a fazer entrar o ouro do Santuário no circuito oficial e a vendê-lo, fez o resto.

O mencionado emissário, Alfredo Barros, também já desaparecido, foi, durante alguns anos, o portador das peças de ouro do Santuário destinadas a serem derretidas e transformadas em barras. Até agosto de 1973, de Fátima continuaram a chegar, regularmente, diversos sacos, alguns totalizando para acima de 30 quilos, que continham uma variedade razoável de peças doadas pelo peregrinos. Várias cartas testemunham esses envios, embora parte da correspondência trocada entre o Banco e a reitoria de Fátima tenha desaparecido sem deixar rasto, quando se encontrava, a pedido da PJ, à guarda do banco. Na maioria dos casos, as missivas do Santuário descreviam ao pormenor a ‘encomenda’ e o Banco respondia, dando o peso final desse ouro, já em barra, e agradecendo a confiança nele depositada. Outras cartas ilustram apenas o bom relacionamento entre a entidade religiosa e sua correspondente financeira, tendo o Santuário louvado, não poucas vezes, a amabilidade com que os seus enviados – incluindo por vezes o próprio reitor – eram recebidos na sede do Banco Pinto de Magalhães... O ouro do santuário é tanto que circula sobre rodas dentro dos túneis do Santuário, que fazem lembrar as minas com vagões, carros e tudo.

Até aqui temos um breve relato do ouro de Fátima colocado no Banco Pinto de Magalhães. Indagado pela revista “Visão” sobre quanto ouro nazista Portugal recebeu, o ilustre pesquisador e historiador, Antonio Louçã, responde: “Através do depósito C do Banco Suíço, recebeu cerca de 48 toneladas, mas quatro foram devolvidas. Se contabilizarmos os depósitos A, B e C, terá recebido à volta de 123 toneladas. Mas existiu um canal paralelo de entrada de ouro e esse não é controlável. Segundo um documento do Reich Bank, só no mês de junho de 1944, entrou por mala diplomática uma quantidade de ouro relevante para cobrir os gastos da Legação Alemã em Portugal, e, depois, era colocado no mercado, vendido a ourivesarias ou outras entidades particulares”.

Quando indagado pela “Visão” se era possível identificar o circuito das barras que estiveram na posse do Santuário, Louçã responde:

É impossível estabelecer uma pista mais provável. É importante saber como é que esse ouro foi parar no Banco Pinto de Magalhães, mas há uma lacuna de décadas e não creio que alguma vez se possa reconstituir completamente o percurso. (Quem sabe, agora Portugal vai progredir um pouco, depois de se libertar paulatinamente das garras de ferro do Vaticano e sua deusa Fátima, com a ajuda do Pe. Mário de Oliveira, autor do livro “Fátima Nunca Mais”!)
 
A Igreja de Roma jamais soube manusear a Bíblia, a não ser para deturpar o seu conteúdo, desde o século 4, usando o texto alexandrino corrompido por Orígenes, um dos primeiros apóstatas do Evangelho do Senhor Jesus Cristo. Contudo, ela sabe manusear muito bem os seus bilhões em barras de ouro, guardados em depósitos seguros do Ocidente. J. T. Chick, editor e escritor americano, fundador e presidente da Chick Publications, Califórnia, conta numa de suas publicações (The Godfathers) o que a Igreja fez com o ouro dos nazistas. Quem sabe o pesquisador Antonio Louçã ainda desconheça este pormenor a respeito do lugar onde foi parar o ouro nazista que, mais tarde, foi distribuído por vários bancos particulares na Europa e nas Américas.

O LIVRO DE ENOCH

Capítulo 51

1 - Depois desse tempo, no lugar onde eu havia visto toda visão secreta, fui arrebatado em um redemoinho de vento e transportado para o oeste.

2 - Lá meus olhos viram os segredos do céu e tudo o que existe na terra; uma montanha de fogo, uma montanha de cobre, uma montanha de prata, uma montanha de ouro, uma montanha de metal fundido, e uma montanha de chumbo.

3 - E eu perguntei ao anjo que foi comigo, dizendo: O que são estas coisas, que em segredo eu vi?

4 - Ele disse: Todas as coisas que tu viste serão para o domínio do Messias, para que ele possa comandar e ser poderoso sobre a terra.

5 - E aquele anjo de paz respondeu-me dizendo: Espera um pouco de tempo e entenderás, e cada coisa secreta te será revelada, o que o Senhor dos espíritos tem decretado. Aquelas montanhas que tu viste, a montanha de ferro, a montanha de cobre, a montanha de prata, a montanha de ouro, a montanha de metal fluido e a montanha de chumbo, todas estas na presença do Eleito serão como o favo de mel diante do fogo, e como a água descendo de cima sobre estas montanhas, e se tornarão debilitadas diante de seus pés.

6 - Naqueles dias os homens não serão salvos por ouro e por prata.

7 - Nem eles o terão em seu poder para assegurar-se, e voar.

FONTE: Titulo original: LE LIVRE MYSTEIREUX INCONNU, Robert Lafount, 1969 LIVRARIA BERTRAND, S.A.R.L.- Lisboa
VIA: http://rodrigoenok.blogspot.com.br/2014/04/as-contas-secretas-de-politicos-na.html
http://illuminatielitemaldita.blogspot.com.br/2014/04/as-contas-secretas-de-politicos-na.html

O que querem os Illuminati?

Apesar do nome, a entidade é considerada a mais sinistra organização secreta que já existiu. Agindo nas sombras, seus membros tinham um objetivo maior: a destruição da Igreja Católica

Por Rose Mercatelli | Foto: Reprodução | Adaptação web Caroline Svitras


Quando a maçonaria moderna ressurgiu entre o fim do século 17 e início do século 18, logo encontrou um campo fértil entre a intelectualidade europeia. A partir daí, inúmeras sociedades começaram a aparecer e se transformar em um canal que permitia a seus membros, professores, juristas, teólogos, filósofos, cientistas, escritores – entre outros! – questionarem as instituições políticas e religiosas vigentes na época.

Entre essas sociedades, algumas ficaram conhecidas pela aura de misticismo e mistério que as envolviam. Entre todas, a que mais se notabilizou pelo seu lado obscuro foi a Illuminati da Baviera.

Confusão geral

Durante alguns séculos, o termo Illuminati (do latim, os iluminados) foi usado por diversos grupos, alguns reais, outros nem tanto. A maioria deles, inclusive, estava em conflito com as autoridades políticas e religiosas de seu tempo. As teorias dessas associações, todas se autodenominando “iluminadas”, eram contraditórias, o que acabou gerando uma confusão enorme para os historiadores diferenciarem umas das outras.

No século 14, por exemplo, a expressão serviu para nomear uma fraternidade conhecida como os Irmãos do Livre Espírito, um movimento leigo cristão que floresceu no norte da Europa. A fraternidade pregava a pobreza, mas no sentido de purificar o homem do pecado e ressuscitar Cristo nele e não de se desfazer dos bens materiais.

No século 15, o título foi usado também por entusiastas das ideias ditas “iluministas”. Esses pensadores acreditavam que a luz, ou seja, o conhecimento espiritual e psíquico, era o resultado não de uma fonte autorizada – escolas, professores, mentores, filósofos, pensadores, teólogos, entre outros –, mas, sim de uma revelação interna e secreta, gerada por um estado alterado de consciência. De acordo com alguns estudiosos, algumas seitas usavam o haxixe para a expansão da consciência.

Hoje, porém, o termo é usado para designar principalmente aos Illuminati da Baviera, uma sociedade secreta criada na Alemanha, no ano fim do século 18.

Saiba tudo sobre a maçonaria, a maior irmandade do mundo

Um jovem gênio

Fundada por Adam Weishaupt, professor de Direito Canônico da Universidade de Ingolstadt, na Baviera, a sociedade, primeiramente, recebeu o nome pomposo de Antigos Visionários Iluminados da Baviera. As teorias e preceitos da fraternidade foram um reflexo de todo o conhecimento filosófico, espiritual e místico adquiridos por Weishaupt desde os cinco anos de idade, quando passou a morar com o avô, o barão de Ickstatt. Por influência dele, foi estudar com jesuítas, entre os quais ficou famoso por sua inteligência e capacidade de memória.

Revolução Francesa: alterou o quadro político e social da França | Foto: Reprodução

Weishaupt nasceu em 1748, época em que as ideias iluministas dominavam as mentes mais brilhantes da Europa. E foi na biblioteca do avô que o jovem tomou contato pela primeira vez com os filósofos dessa linha de pensamento. As visões do mundo propostas por esses pensadores o levaram a “descobrir” a maçonaria francesa.

Seu enorme interesse o levou a Paris, onde conheceu Maximilien Robespierre, um dos idealizadores da Revolução Francesa, nome dado a um conjunto de acontecimentos que ocorreram entre 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799 e que alteraram profundamente o quadro político e social da França.

Maximilien de Robespierre, advogado e político francês | Foto: Hulton Archive

Depois de se formar advogado, Robespierre ganhou fama ao defender os pobres contra as arbitrariedades da justiça da corte francesa. Por sua austeridade e dedicação, passou a ser chamado de “o incorruptível”.

Outra influência sobre Adam Weishaupt foi o de um místico dinamarquês chamado Kolmer que o introduziu nos mistérios esotéricos do Antigo Egito. Weishaupt sempre demonstrou uma queda por rituais pagãos e, ainda por cima, se encantou pelo maniqueísmo, religião fundada pelo profeta Mani da Pérsia, atual Irã, cujo dogma se baseia na guerra entre a luz e a escuridão (Deus e o Diabo) que estão em constante disputa para reclamar a alma das pessoas. Quando os jesuítas souberam das atividades heterodoxas de seu pupilo Weishaupt, acabaram por expulsá-lo da escola onde ele estudava.

Profeta persa Mani, fundador do Maniqueísmo | Foto: Reprodução

Seita elitista

Ele, então, saiu à procura de uma fraternidade que abarcasse os princípios de disciplina mental criado pelo jesuíta santo Inácio de Loyola com os conhecimentos da maçonaria junto a ideias do misticismo islâmico. Como não encontrou nenhuma, resolveu fundar a sua sociedade secreta em maio de 1776.
Segundo a pesquisadora americana Sylvia Browne, autora de As Sociedades Secretas Mais Perversas da História, Weishaupt decidiu formar um corpo de conspiradores para libertar o mundo da “dominação jesuíta da Igreja em Roma, trazendo de volta a pura fé dos mártires cristãos”. Alguns autores, como Sylvia, relatam que o primeiro nome do grupo foi, na verdade, Sociedade dos Mais Perfeitos, que mudou para lluminati, ou os intelectualmente inspirados.
Os cinco primeiros membros da fraternidade foram escolhidos entre os alunos da Universidade de Ingolstadt, onde ele ensinava Direito Canônico. Weishauspt não desejava presidir uma organização numerosa, mas poderosa. Por isso, só aceitava pessoas com uma boa situação social e econômica.

Santo Inácio de Loyola | Foto: Reprodução
Seus pupilos tinham de jurar obediência à organização, que se dividia em três categorias. O Berçário, para iniciantes, incluía os níveis Preparação e Noviço, Minerval e Illuminatus Menor. Na fase intermediária encontravam-se os níveis Maçonaria, com os graus Illuminatus Major e Illuminatus Dirigens. Já o alto escalão, o Ministério, englobava os graus Presbítero, Regente, Magus e Rex, o ponto mais alto da sociedade.

Ascensão e queda

Nas reuniões do grupo, Weinshaupt transmitia aos alunos ensinamentos proibidos pela Igreja Católica. Embora pesquisadores digam que ele conseguiu ingressar na maçonaria, parece que os próprios maçons não engoliam suas ideias radicais. De qualquer forma, o grupo começou a crescer. Um dos primeiros frequentadores do movimento, o barão protestante de Hannover Adolph von Knigge, já iniciado na maçonaria, foi quem, com Weishaupt, posteriormente, desenvolveu o rito dos Illuminati da Baviera.

Adolph von Knigge, barão protestante de Hannover, que já havia sido iniciado na Maçonaria | Foto: Reprodução

Graças às suas habilidades, os Illuminati rapidamente e espalharam pela Alemanha, Áustria, Hungria, Suíça, França, Itália e outras partes da Europa arregimentando personalidades como o lendário alquimista conde de St. Germain e Wolfgang Von Goethe (1749-1832), um dos maiores nomes da literatura germânica. Entretanto, a sociedade começou a incomodar o clero e a realeza da Bavária. A partir daí, iniciou-se a perseguição e a prisão de alguns de seus membros.

O conservador príncipe eleito da Baviera, duque Karl Theodor, por exemplo, advertiu sobre o perigo representado pelos Illuminati para a Igreja Católica e para as monarquias por causa de seus objetivos ideológicos. Em 1784, assinou um edital para a extinção oficial da fraternidade. Em seguida, Weishaupt foi demitido de sua cátedra indo para o exílio em Regensburg, para liderar a ordem no exterior.

Por causa da propaganda negativa contra a fraternidade, os Illuminati passaram para a história como articuladores de inúmeros movimentos que tinham (e ainda têm) como objetivo dominar o mundo.


O domínio do planeta

Alguns historiadores acreditam que o grupo continuou a operar na clandestinidade, defendendo ideologias como o anarquismo e o comunismo. Por isso, estariam por trás da Revolução Francesa (por conta da ligação entre Weishaupt e Robespierre), da Revolução Russa e do nascimento dos EUA como nação.

Revolução Russa de 1917, que derrubou a autocracia | Foto: The Daily Telegraph

A influência dos iluminados da Baviera é de tal ordem, que até na cédula de um dólar é possível encontrar símbolos que “atestam” a existência do tenebroso grupo. “O presidente Roosevelt, maçom de grau 33, aproveitou o desenho na nota para transmitir informações sobre os novos projetos dos Illuminati. Um deles seria a 2ª Guerra Mundial”, diz o escritor e numerólogo americano Robert Goodman, autor de o El Libro Negro de los Illuminati (“O Livro Negro dos Illuminati”, inédito no Brasil).

Para outros pesquisadores, os herdeiros de Weishaupt ainda hoje manejam as finanças, a imprensa e a política internacionais. Por trás de organizações poderosas estariam sociedades secretas como a “Crânio e Ossos” (Skull and Bones) e o clube Bilderberg, que reúne políticos, empresários, banqueiros e os comandantes das empresas mundiais de comunicação.
Sociedade secreta “Crânio e Ossos” (Skull and Bones) | Foto: Reprodução
O objetivo deles, de acordo com inúmeros pesquisadores, como a espanhola Cristina Martin, autora do livro El Club Bilderberg (sem tradução para o português), e a americana Sylvia Browne, seria o de por em prática um plano diabólico conhecido como A Nova Ordem Mundial (NOM).

Essa é a teoria conspiratória, na qual um grupo poderoso e secreto planeja dominar e escravizar o mundo por meio de um governo mundial único. Segundo o NOM, primeiro vai ser preciso derrubar governos de todo o mundo, bem como acabar com todas as religiões e crenças para unificar a humanidade sob os aspectos políticos, linguísticos, ideológicos e de credo religioso. O fundamento básico da teoria seria a uniformidade. Ou seja, quando a Nova Ordem chegar, haverá um planeta com apenas uma moeda, um exército e uma só religião.
Clube Bilderberg, que reúne políticos, empresários, banqueiros e diretores de empresas de comunicação | Foto: Reprodução

Os símbolos do dólar

De acordo com vários pesquisadores, a antiga seita bávara deixou pistas na nota de um dólar, como um registro de sua influência na sociedade estadunidense. Conheça alguns desses símbolos estampados na respectiva nota:


  1.  No centro da nota, está George Washington, primeiro presidente dos Estados Unidos da América, que recebeu o título de Grão-Mestre Maçônico.
  2. À direita de George Washington, o Selo do Departamento do Tesouro (The Department of the Trasury 1789) com três símbolos: a Balança (justiça); o Esquadro (Equidade e Retidão) e a Chave (a guarda dos segredos). 
  3.  À esquerda, a Pirâmide com o Terceiro Olho no topo é um dos principais símbolos maçônicos e dos Illuminatis. A pirâmide representa a hierarquia das classes sociais.
  4. Olho-que-tudo-vê, um símbolo místico egípcio, representa os Iluminados, donos do conhecimento, do dinheiro e do poder. O símbolo foi herdado da maçonaria.
  5. A base da pirâmide feita de tijolos idênticos representa a população em geral.
  6. Acima da pirâmide a frase: ANNUIT COEPTIS. ANNUIT (em latim) significa “início”, “começo”. COEPTIS (em latim) quer dizer “empresa”, “domínio”, “controle”. Para os estudiosos dos Illuminati, a frase, então, quer dizer “o início da dominação”.
  7. Abaixo da pirâmide, a frase: NOVUS ORDO SECLORUM, que quer dizer “nova ordem dos séculos”. Ou, na interpretação livre de alguns pesquisadores, o lema quer dizer “uma nova ordem já começou”, uma pista do grande projeto dos Illuminati.
  8. número 13, utilizado nos rituais do grupo, aparece em vários lugares: nas estrelas sobre a águia, nas flechas que ela segura com uma das patas, nos frutos e folhas do ramo que ela segura com a outra, nas listras verticais do escudo à frente da águia e, também, nos 13 andares da pirâmide.  


Adaptação do texto “Senhores do Mundo”
Revista Leituras da História Ed. 56
Fonte:http://leiturasdahistoria.uol.com.br/o-que-querem-os-illuminati/

Quando começou a manipulação das massas



Na última postagem expressei a opinião de que não vivemos (países ditos democráticos) uma real democracia. No post de hoje apresento em sequência um assunto que está intimamente relacionado com o que afirmei anteriormente.


Como comigo a sincronia funciona mesmo, vi na internet uma referência a um documentário que chamou-me a atenção e após assisti-lo todo (4 horas de duração ) passo a resumir aqui.
The Century of Self (o século do ego) é um premiado documentário britânico de Adam Curtis. Ele se concentra em como a obra de Sigmund Freud, Anna Freud e Edward Bernays influenciou a forma como os governos e as corporações têm analisado, tratado e controlado o povo na era da democracia de massa.
O Século do Ego faz perguntas profundas sobre as raízes e os métodos do consumismo moderno, democracia representativa, marketing e suas implicações. Ele também questiona a maneira moderna de vermos a nós mesmos, as atitudes em relação à moda e à  superficialidade.
Edward Bernays (sobrinho de Freud), considerado pela revista Life Magazine como uma das 100 pessoas mais influentes do século XX e considerado o pai da ciência chamada Relações Públicas, foi a primeia pessoa (após 1ª Grande Guerra) a usar as ideias de Freud sobre a mente para manipular as massas.

Com base nas ideias de seu tio, ele ensinou aos empresários americanos como podiam fazer com que as pessoas desejassem coisas das quais não necessitavam. Estava nascendo a ideia política de “como contolar as massas”: satisfazendo os desejos inconscientes das pessoas para torná-las felizes e dóceis. Era o pontapé inicial da era do consumismo.
Logo de início Bernays já demonstrou ser um baita marqueteiro pois criou o termo Relações Públicas substituindo a palavra propaganda já que esta estava mal vista por causa de seu uso pelos alemães.
A certa altura se perguntou se poderia ganhar dinheiro manipulando o inconsciente das pessoas e como assessor de um grande industrial do fumo lançou-se à sua primeira tarefa: convencer as mulheres a fumar em público (um tabu na sociedade da época). Convencido de que o cigarro é um símbolo fálico com idéias de poder, independência e liberdade embutidos nele, percebeu que poderia fazer com que o cigarro fosse adotado pelas mulheres como um desafio ao poder masculino. Com uma certeira e espalhafatosa jogada de marketing o conseguiu, aumentando incrivelmente as vendas de cigarro para o seu contratante.
Até então a publicidade se focava nas necessidades do povo e era dirigida ao seu lado racional. Bernays iria mudar essa ótica, pois já que seu tio tinha dito que o homem é controlado por impulsos irracionais, ele percebeu que poderia influenciar as pessoas apelando para o seu lado inconsciente e desenvolveu técnicas de persuasão a partir desses impulsos. É o que vemos acontecer até os dias atuais na publicidade e propaganda.
Além dos grandes empresários, Bernays sempre esteve muito ligado aos governos dos EUA. Em 1917 foi contratado pelo então presidente Woodrow Wilson para criar uma campanha para influenciar os americanos a apoiar a entrada de seu país na primeira guerra mundial. Em seis meses um imenso repúdio ao povo alemão estava instalado na América.
Em 1930, um banqueiro da Lehman Brothers, considerando que seu banco estava faturando pouco, decidiu: nós precisamos mudar a cultura americana da necessidade para o desejo, as pessoas têm de ser treinadas para desejar novas coisas. O encarregado de mudar tal mentalidade foi Bernays. Este, então, criou uma campanha para convencer as pessoas a pegar empréstimos para comprar ações (o que mais tarde teria suas consequências no crash da bolsa de 29).
Em 1929 Hoover é eleito e diz para seus assessores em RP (Bernays já havia feito vários discípulos) que deveriam transformar as pessoas em “máquinas de felicidade em constante movimento” ou “máquinas-chave para o progressso econômico”. Estava sendo criada uma nova maneira de como dirigir a democracia de massas, sua chave era o consumismo per si.
As ideias de Matthew Lipman (filósofo americano influente na época) e Bernays contaminaram a democracia e a transformaram num paliativo – “se continuar-se a estimular o lado irracional dos humanos, a elite pode continuar fazendo o que quiser” (as massas não têm capacidade racional para governar-se, pois são comandadas por impulspos primitivos).
A ideia de democracia para Bernays era manter as relações de poder metendo-se na vida psicológica das pessoas quando isso fosse necessário. Incutiu no povo a crença de que não poderia haver democracia sem o capitalismo – “a democracia se reduz de uma cidadania ativa para um consumidor passivo”.
As barbáries nazistas constatadas durante a Segunda Grande Guerra levaram os governantes americanos a voltar à ideia de que as massas são controladas por inconscientes perigosas forças destruidoras. O governo americano, grandes corporações e a CIA uniram-se para desenvolver técnicas que controlassem a mente do povo americano porque temiam que o lado humano irracional poderia tomar conta do povo e repetir o comportamento dos alemães durante a guerra.
Gigantesco experimento social para controlar a vida mental interior do povo americano foi criado, o programa “Saúde Mental da Nação” (lei aprovada pelo presidente Truman em 1946).
Centenas de psicanalistas foram treinados para aplicar as ideias de Anna Freud. Ela acreditava que era possível ensinar às pessoas como controlar as irracionais forças internas. Havia realizado a terapia de algumas crianças e considerou que seu método era válido (há que ensinar às crianças a ajustar-se às regras da sociedade), o que foi desmistificado posteriormente, mas, infelizmente, anos mais tarde.
No final da década de 1950 a CIA investiu milhões de dólares nos departamentos de psicologia das universidades americanas,financiando secretamente experimentos para controlar as forças internas das pessoas. Destacou-se nesta época Ewen Cameron que, como outros tantos psicanalistas, acreditava que dentro do ser humano residiam forças que ameaçavam a sociedade. Acreditava também que era possível eliminar da memória dos indivíduos tudo aquilo, que no seu critério, não era positivo à sociedade. Com este objetivo submeteu seus pacientes a doses maciças de eletrochoques, consumo de LSD e outras drogas procurando apagar a memória deles e posteriormente incluir nessa “tabula rasa” novos conteúdos, novos comportamentos. O resultado de suas experiências foi um completo desastre, pois deu origem a uma dezena de pessoas desmemoriadas de sua vida prévia e somente com a habilidade de repetir frases como: “estou contente comigo mesmo”.
Outros experimentos financiados pela CIA também resultaram num fracasso. Os estudiosos envolvidos finalmente começaram a se dar conta do quão difícil era comprender e controlar os mecanismos da mente humana.
Em 1978 um grupo de economistas e psicólogos da Stanford Research University decidiram encontrar uma maneira de ler, medir e cumprir os desejos dos novos imprevisíveis consumidores (os que queriam a autoexpressão). Foi criado então o “marketing por estilo de vida”.
Novos instrumentos de pesquisa psicológica do consumidor foram criados (os chamados grupos de discussão – focus groups) para explorar os sentimentos dos grupos divididos pelo “estilo de vida”. Posteriormente as empresas passam a fabricar produtos que permitam aos componentes desses grupos expressar o que consideram sua individualidade. A geração que uma vez já tinha se revoltado contra o consumismo, agora se rende ao mesmo porque o ajuda a ser a si mesmo (filosofia do eu centrado em si próprio).
Resumindo, no documentário é constatado que para criar-se uma sociedade estável é preciso reconhecer que o cidadão comum compensa suas frustrações gastando em auto-gratificações (consumo de produtos).
Dois exemplos da influência de Bernays:
– Achava que em vez de tentar dinminuir o medo das pessoas em relação ao comunismo este devia ser induzido e incentivado porque, desencadeando medos irracionais, faria americanos leais ao Estado e ao capitalismo de maneira a tornar-se uma arma na “guerra fria”.
– Seu papel no golpe de Estado da Guatemala em 1953, que culminou com a derrubada do presidente Jacobo Arbenz, eleito com a promessa de promover a reforma agrária em terras da United Fruit Company. Por meio dos jornais, Bernays foi capaz de aumentar o apoio da população ao golpe e à invasão do exército norteamericano, porém não pôde evitar a guerra civil que durou 36 anos e resultou em mais de um milhão de guatemaltecos mortos. (http://www.ip.usp.br/portal/index.php?)
Bernays nunca realmente acreditou que a democracia podia funcionar.
O restante do documentário ainda mostra as influências das ideias freudianas em outros eventos, tanto nos USA como na Europa desde a época da Primeira Guerra Mundial, mostrando magistralmente como tem funcionado a manipulação das massas seja pelos políticos ou pelas empresas visando o consumo.
E então? Continuaremos sendo massa de manobra? Até quando?
Há que expandir a consciência para que a manipulação acabe!
FONTE : http://verdademundial.com.br/2016/11/quando-comecou-a-manipulacao-das-massas/

ILLUMINATI

illuminati


 
Quem fundou os illuminati? Adam Weishaupt na Baviera em 1776 ou Hassan Isabbah em 1090 ?
Os illuminados, segundo acreditavam serem iluminados da luz de lúcifer. Weishaupt ( 1748-1830) era um maçon ( membro da maçonaria) de ascendência judia.
Muito se tem falado dos "Illuminati", em livros como os de Dan Brown ( Código da Vinci e o: Anjos e Demónios ) , que inspiraram inclusive os filmes com mesmo título, com Tom Hanks.
     
Mas o assunto é muito mais antigo. Sociedades secretas sempre existiram, durante séculos, e continuarão a existir. Membros da política, da Monarquia, do sistema Bancário, celebridades e muitos outros, fazem parte. Existem inúmeras sociedades. Fraternitas Saturni, Golden Dawn, Opus Dei, Maçonaria, Luciferismo, Ordem Rosae Crucis, I.O.T ( Illuminates of Thanateros ), entre muitas outras.
Os seus símbolos ocultos surgem por toda a parte, em anúncios de tv, videoclips de música Pop, filmes, e inclusivé no dinheiro ( a nota de 1 dólar é um exemplo ):
 Mais à frente irei abordar essa simbologia.
A maioria de sites , revistas e livros sobre illuminatis dizem que a ordem foi fundada em 1776 por Adam weishaupt, no entanto este ano ao ler "O livro dos Illuminati" de Robert Wilson ele diz que a Ordem fundou-se em 1090 por Hassan Isabbah.
Creio que nunca poderemos ter certeza absoluta, pois a origem desta controversa seita é muito antiga e as informações nem sempre coincidem. Há quem diga que os illuminatis são extraterrestres que estão por cá há milhares de anos e que influenciaram os cultos e rituais dos Sumérios e Egípcios, e que a Maçonaria actual é inspirada nesses rituais antigos sumérios.
Os líderes da Revolução francesa eram Maçons e Illuminati, ou os agentes deles e seguidores, levando a cabo um plano secreto para subverter as monarquias de Europa e a religião Cristã. Teriam aberto lojas na Alemanha, Áustria, Itália, Hungria, França e Suíça. Illuminati, Maçonaria e ainda outras seitas são tentáculos do mesmo monstro.
Actualmente essa ordem está espalhada por todo o mundo, muitos membros dos governos são membros, assim como são da maçonaria.



A Real origem dos Illuminati ?
Robert Wilson conta que em 1090 Hassan I sabbah fundou a seita Ismaelita , ou Haxixinos ( a origem da palavra assassinos vem daí ). Eles usavam o haxixe (derivado da planta canabis ) , o culto aterrorizou o mundo muçulmano até os mongóis de Gengis imporem a lei e a ordem na zona. Encurralados no seu refúgio nas montanhas , os Haxixinos, caindo de drogados, não conseguiram oferecer resistência aos saudáveis guerreiros mongóis. Mas os cabecilhas do grupo fugiram para o Ocidente.
Os illuminati buscam a "imortalidade" espiritual através de práticas de magia negra, incluindo sacrifícios humanos.
( hoje em dia sacrificar humanos de forma directa iria atrair demasiada atenção, mas existe uma forma disfarçada de fazerem isso: As Guerras. Guerra no Iraque, Afeganistão, Líbia, etc...)
Mais tarde, ( em 1776) foi Adam Weishaupt , um estudante do ocultismo, que renovou essa ordem illuminati, ele estudou os ensinamentos de Hassan I Sabbah , cultivou também marijuana no quintal, através de alguns estudos (e da marijuana também) consegiu a "iluminação" (reparem que pus aspas), fundando a ordem "Os antigos sábios iluminados" da Baviera (Alemanha) no 1º de Maio de 1776.
Curiosamente o 1º de Maio é o dia escolhido para celebrar o dia do trabalhador, porque será? Louis Blanc na sua obra "Histoire de la révolucion Francaise" qualifica Adam Weishaupt como "o mais profundo conspirador".
Robert diz ainda que a famosa Helena Petrovna Blavatski (fundadora da Teosofia) também nascida na Alemanha, era feiticeira e aliada dos Illuminati.
Robert Wilson diz que: Tanto a bandeira dos Estados Unidos como a pirâmide illuminati têm treze divisões horizontais, e o treze é também o código tradicional da marijuana, sendo ainda usado nesse sentido pelos Hell's Angels, entre outros.
Bem , fui verificar se bate certo, vejam as imagens abaixo :
Um dos símbolos mais famosos é a pirâmide com o olho-que-tudo vê (olho de luçifer) Esse símbolo é tão real que podem vê-lo nas notas de 1 dólar. (símbolo introduzido por Franklin Roosevelt em 1933). Roosevelt foi presidente dos EUA, um dos 13 presidentes que eram maçons.
Uma das teorias aponta que a utilização destes símbolos ocultos no dinheiro serve para a "fantasmagoria" do monopólio que o Estado detém sobre a energia psíquica. O símbolo condicionado (dinheiro-símbolo) controlaria totalmente o nosso bem-estar mental. Uma coisa temos que admitir, o dinheiro afecta-nos psiquicamente, quando estamos sem dinheiro começamos a ficar deprimidos "como pagar as contas?" "será que chegará ao final do mês?", etc..
-O cidadão capitalista aprende neurologicamente que dinheiro equivale a segurança e falta de dinheiro a insegurança.
nota 1 dollar illuminati 
Por cima da pirâmide consta a frase em latim “Annuit coeptis” (ele tem favorecido os nosso empreendimentos) ele, provavelmente : Lúcifer, o arquitecto, o olho-que-tudo vê. O olho significaria também uma alegoria à capacidade deles estarem simultaneamente em todo o lado. (por exemplo com sistemas de escuta, sistema echelon, etc.).
Abaixo da pirâmide poder ler-se “ Novus ordo Seclorum” (a nova ordem dos séculos) ou seja A Nova Ordem Mundial. Pegue uma nota de 1 dólar e verá que é mesmo verdade.

A pirâmide dividida em duas :
Ela constitui-se de 72 blocos de pedra. Alguns dizem que seriam os 72 degraus da escada de Jacob, estando assim relacionados com o judaísmo e a tradição cabalística. Por outro lado, a pirâmide não está terminada, o que poderia interpretar-se como uma chamada de atenção para o futuro . ( Eles iriam fazer algo mais).
A Fénix:
Foi a figura alada impressa nos primeiros dólares, mas em 1841 foi substituída pela águia, um símbolo solar egípcio. Acima dela estão 13 estrelas correspondentes aos 13 estados de então. Essas estrelas ,com as suas cinco pontas, são um símbolo maçónico.
Ela tem 9 plumas na cauda, correspondendo aos graus do ritual maçónio de York.
As asas exibem respectivamente 32 e 33 penas, aludindo assim aos graus do rito Escocês.
Na pata esquerda segura 13 flechas, indicando acção e transmutação.
No bico ela segura um pergaminho no qual em latim se lê "et pluribus unum", uma alusão à necessidade de integrar e agrupar os membros das antigas colónias que agora constituíam uma só nação. Fazer todas as nações uma só.

No livro dos Illuminati ( Robert Wilson) ele diz que: 0,5 da população detém 70% da riqueza, deixando os outros 99,5 da população competindo violentamente pelo restante (30% da riqueza).
Os illuminati escreveram a História muito antes dela acontecer, uma das evidências é um jogo rpg (role playing game, jogo de interpretar ) criado por Steve Jackson e lançado em 1995. Esse jogo “INWO” (Illuminati new world order) illuminati a nova ordem mundial, inclui 9 cartas que descrevem factos que aconteceriam na História, eventos envolvendo bio terrorismo, desastres, anarquia, etc. Não significando que ele fosse illuminati, mas conhecia os planos deles, tanto que foi visitado pelos serviços secretos, os quais tentaram impedir o lançamento desse jogo. (mais dados em http://www.sjgames.com/inwo/ )
A carta mais surpreendente é a do ataque terrorista, repare que o jogo foi distribuído em 1995, e já predizia o atentado ás torres gémeas.
torres gemeas, wtc cartas inwo
Na imagem podemos ver que inicialmente uma torre é atingida.
No canto inferior esquerdo, num edifício podemos ver o símbolo illuminati (uma pirâmide pequenina).
illuminati nwo the game
Outra das carta é horrivelmente precisa, O Pentágono . Repare na imagem, apesar das chamas o pentágono está .praticamente intacto, como ocorreu a 11 de Setembro de 2001.

Derrame de óleo da BP :
O Forte Sismo no Japão, 11-Março de 2011:
Uma das consequências , além dos mortos, foram as explosões na central nuclear de Fukushima
Agora vejam esta carta, de 1995:
fukushima

AGOSTO DE 2011 :
Mais uma carta que se tornou realidade :

As seguintes informações, são do livro de René Chandelle, "Os illuminati e a grande conspiração Mundial...." Editorial Estampa.
Pág. 59: excerto : 
[...] " É redigida a Declaração de Independência dos Estados Unidos.
A 4 de Julho de 1976, as treze colónias britânicas da América do Norte declaram-se soberanas e independentes, sob uma forte influência e participação de Maçons e Illuminati.
Pág. 62, Adam Weishaupt, fundador da ordem dos iluminados da Baviera, tinha cinco objectivos essenciais, irei resumir os mais importantes.
Fim dos Governos :
Erradicar e abolir as monarquias ou outra forma de governo que não se ajustasse aos seus preceitos. Para isso, os membros da seita , valendo-se do seu poder económico, social e político, teriam a missão de originar os conflitos que fossem necessários. Só havia lugar para um governo, o deles.
( nota: Agora quem manda em muitos Países Europeus não são os seus Governos mas sim o F.M.I )
Fim das propriedades:
O objectivo consistia em conseguir que o poder económico residisse nos membros da irmandade e nas redes que esta gerou. A propriedade privada e os direitos sucessórios correspondiam, portanto, a um perigo. Os illuminati encarregar-se-iam de ocupar os postos de controlo de onde seria manobrado o poder económico.
( Nota : Com a actual Crise, milhares de famílias têm perdido os seus bens e entregue as casas aos Bancos ).
Fim do conceito de nação:
Era preciso erradicar a multiplicidade de nacionalidades. Era melhor um grande império, uma grande pátria,, do que muitas difíceis de controlar. Eliminar-se o conceito de patriotismo e nacionalismo. O objectivo era encontrar uma nova ordem mundial.
Os illuminati não se extinguiram isso é falso.
Na pág. 63, pode ler-se:
[...] " O facto do grupo ter sido oficialmente dissolvido permitiu-lhe prosseguir as suas actividades de forma ainda mais clandestina e sem a preocupação de ter de demonstrar que não existia."




O futuro ?
Na pág. 91 do livro, pode ler-se:
« O terceiro grande conflito, que envolverá todas as culturas do mundo, foi programado através de uma carta, a 15 de Agosto de 1871, por dois membros da sociedade secreta dos Illuminati, hoje guardada no Museu Britânico de Londres. ( portanto é real ).
Não é a única, das muitas que se cruzaram.
Albert Pike e Giuseppe Mazzini eram membros importantes dos Illuminati que mantinham uma correspondência regular, através da qual conspiravam. Albert Pike, autor da carta em questão, era também um Maçon. Também foi fundador da seita Ku Klux Klan. Giuseppe, esteve ligado à sociedade secreta dos carbonários.
Albert Pike escreveu em 1871
" A terceira guerra mundial deverá ser fomentada através do aproveitamento dos diferendos promovidos pelos agentes dos iluminados entre o sionismo político e os dirigentes do mundo muçulmano. A guerra deve ser orientada de tal forma que o islão e o sionismo político se destruam mutuamente, enquanto outras nações se vêem obrigadas a entrar na luta, até ao ponto de se esgotarem física, mental, espiritual e economicamente..[...] " ( nota: Invasão do Irão ? )
Mais uma vez, algo que eles já planearam há muito tempo :
      
Redução Populacional é super simples : Basta criarem guerras, crise económica , aumento dos impostos, aumento do preço dos alimentos e dos combustíveis, o que irá gerar caos social, revoltas, mortes. Uns morrem de fome, outros suicidam-se ( como na Itália, Grécia, Espanha, Portugal, Irlanda e outros tantos Países ), os que ficarem vão morrendo em catástrofes ( terramotos, tsunamis ) ou nas Guerras. Ou ainda com novas doenças virais ( bioterrorismo ) e poluição industrial e chemtrails.. Tudo isso combinado...

Alguns membros muito próximos, ou amigos próximos de membros da Elite, têm vazado informações... Sob pseudónimo, a fim de protegerem a sua identidade e segurança.

Saiba Mais sobre os planos illuminati, AQUI.
Veja o interrogatório a um membro illuminati detido. AQUI.
Fonte:http://www.realidadeoculta.com/illuminati.html#.WZMFiFGGOUk